Notícia
O Diesel derivado de petróleo tem um SUBSTITUTO? Conheça mais sobre o Diesel Verde (HVO)
O Diesel derivado de petróleo tem um SUBSTITUTO? Conheça mais sobre o Diesel Verde (HVO)
28/01/2020 às 19:27

O diesel fóssil, derivado do petróleo, é bastante utilizado no Brasil, principalmente no setor de transporte, que é responsável por mais de 85% do consumo nacional. O modal rodoviário é o que mais contribui para essa situação, demandando cerca de 96% do diesel fóssil destinado à atividade transportadora.


Além de não renovável, este diesel é poluente e por isso alternativas mais sustentáveis têm sido desenvolvidas, com foco na redução de emissões atmosféricas prejudiciais ao meio ambiente e à saúde da população.


O óleo vegetal hidrotratado (HVO, na sigla em inglês para Hydrotreated Vegetable Oil) é um possível substituto para o Diesel fóssil. Conhecido como Diesel Verde ou Diesel Renovável, apresenta composição química semelhante à do combustível derivado do petróleo, mas é de origem renovável. Essa alternativa já é disponibilizada na Europa, na Ásia e na América do Norte, sendo a empresa Neste, sediada na Finlândia, sua maior produtora global. Na América do Sul, o Paraguai anunciou que será construída uma unidade para a sua produção.


Assim como o biodiesel, o HVO é um biocombustível obtido a partir de óleos vegetais ou gorduras animais, porém, esses produtos possuem componentes diferentes entre si, pois, sob o ponto de vista química, o HVO é uma mistura de hidrocarbonetos (formados por carbono e hidrogênio), enquanto o biodiesel é uma mistura de ésteres (constituídos por carbono, hidrogênio e oxigênio). O HVO é produzido pelo processo químico de hidrotratamento (HDT), no qual as matérias-primas reagem com o gás hidrogênio em condições controladas de temperatura e pressão, formando um líquido similar ao diesel fóssil. Por sua vez, o biodiesel é produzido pelo processo químico de transesterificação, no qual as matérias-primas reagem com um álcool, geralmente o metanol, formando um combustível bastante distinto no diesel do petróleo. Por esse motivo, uma das vantagens do HVO é que ele pode ser usado puro ou adicionado em altas proporções ao diesel comercial.


Benefícios do HVO:


  • Reduz de 50% a 90% a emissão de gases de efeito estufa (GEE), considerando todo o ciclo de vida dos combustíveis;

  • Reduz em 33% da emissão de material particulado fino (MP2,5);

  • Reduz em 30% da emissão de hidrocarbonetos (HC);

  • Reduz em 24% a emissão de monóxido de carbono (CO);

  • Reduz em 9% a emissão de óxidos de nitrogênio (NOx), poluentes cujos níveis de emissão são aumentados pelo biodiesel;

  • Pode ser produzido na infraestrutura das refinarias de petróleo existentes;

  • Maior poder calorífico (Leva a um menor consumo de combustível);

  • Possibilidade de obtenção a partir de maior variedade de matérias-primas que não competem com a produção de alimentos, como óleo de fritura, de algas, de mamona e de pinhão-manso.



Entretanto, o uso desse biocombustível apresenta desafios.


Por um lado o HVO é visto com bons olhos, em especial pela oportunidade de resolver problemas relacionados ao biodiesel, por outro lado, o processo produtivo do diesel verde não é tão verde, pois envolve insumos fósseis, entre eles, o gás hidrogênio advindo do gás natural. Além disso, a depender das matérias-primas utilizadas, há competição com a produção de alimentos e há mudanças no uso da terra, podendo reduzir a vegetação capaz de absorver dióxido de carbono (CO2), que é um gás de efeito estufa.


O uso do Diesel Verde também pode aumentar o consumo de combustível dos veículos, se comparado com misturas de alto teor de diesel fóssil. Em volume, o consumo de HVO puro pode ser de 0,8% a 3,5% maior em comparação ao B5 (mistura de 95% de diesel fóssil e 5% de biodiesel). Deve-se considerar, ainda, a possível necessidade de adaptar o sistema de injeção dos veículos para a utilização de 100% de HVO, o que poderia ocasionar custos adicionais aos consumidores. E para falar em custos, é provável que o diesel verde seja mais caro para os usuários finais. Na Suécia, por exemplo, o preço desse biocombustível é cerca de 2,5% maior em relação ao preço do Diesel Comercial.


O HVO é produzido no país em caráter experimental na Petrobras, mas somente em pequena escala. Visto que esse produto se apresenta como uma alternativa promissora de substituição parcial ou total do diesel de petróleo, é fundamental adotar medidas técnicas, econômicas e legais, com o intuito de tornar sua produção ainda mais sustentável, principalmente sob as óticas ambiental e financeira, viabilizando sua comercialização e consumo no país.




Gostou do conteúdo?  Siga a gente no Facebook e Instagram e fique por dentro de tudo!

Fonte: Despoluir